Cloreto de magnésio PA para tratamento de Parkinson e mal de Alzheimer

A Doença de Parkinson (DP) é um distúrbio neurodegenerativo, que leva à deterioração progressiva da função motora, devido à perda de células cerebrais produtoras de dopamina. Neste artigo você vai poder entender melhor as doenças e saber os benefícios do cloreto de magnésio para parkinson e mal de alzheimer, acompanhe atentamente..

cloreto de magnésio para parkinson e mal de alzheimer

Cloreto de Magnésio para Parkinson e mal de Alzheimer

A causa da doença de Parkinson é desconhecida, os pesquisadores ainda não conseguem afirmar como esses neurônios são afetados, mas já se pode indicar alguns fatores possivelmente responsáveis pela formação da Doença de Parkinson, tais como:

Idade – o Parkinson raramente acomete jovens, os principais afetados pela doença são indivíduos acima de 60 anos;

Herança genética – pessoas, cujos familiares desenvolveram a Doença de Parkinson, também podem vir a manifestar a doença;

Traumas no crânio – um acidente isolado ou traumas sucessivos no crânio podem desencadear a doença. Como exemplo, pode-se citar os traumas cranianos que sofrem lutadores de boxe ou MMA, jogadores futebol americano e outras funções que recebam repetidos impactos na cabeça.

Contato com certas substâncias químicas – algumas substâncias podem prejudicar o sistema neurológico, de modo propiciando o desenvolvimento do Parkinson, como por exemplo agrotóxicos.

Tendo em vista que a dopamina controla a atividade muscular, os sintomas desta doença relacionam-se, essencialmente, com os movimentos. Além de tremores, rigidez e lentidão de movimentos, pode-se identificar, também, influências no sono e no psicológico de quem desenvolve a Doença de Parkinson.

Inicialmente, a Doença de Parkinson se manifesta como tremor ligeiro nas mãos, nos braços ou nas pernas, que ocorre quando a extremidade afetada está em repouso, mas que pode aumentar em determinados momentos de maior tensão, preocupação ou irritação.

Conforme a doença vai progredindo, os tremores podem afetar as extremidades de ambos os lados do corpo. A doença, ainda, pode chegar a afetar os músculos da face, inviabilizando o indivíduo de manifestar expressões, bem como outros músculos, impossibilitando o doente até mesmo de cuidar de si próprio.

As pessoas que desenvolvem a doença de Parkinson frequentemente apresentam quadros de depressão e/ou ansiedade, bem como distúrbios de memória.

Outros sintomas como dificuldades visuais, de mastigação e deglutição, incontinência urinária, alterações na sexualidade, cãibras e aumento da sudação, também podem ser sentidos pelos doentes.

Notadamente, o que mais incapacita o doente de Parkinson é a instabilidade postural e as dificuldades de movimento dos braços quando da caminhada – aquele movimento pendular de braços -, pois dificultam atividades comuns do dia a dia como se sentar ou levantar e até mesmo curtas caminhadas.

Deve-se ressaltar que cada doente desenvolve sintomas e convive com os mesmos de formas diferentes, motivo pelo qual, não se pode dizer como exatamente cada um vai manifestar a doença e o quanto será afetado.

A doença de Parkinson se revela, normalmente, em indivíduos com 60 anos ou mais, mas a doença de Parkinson de início precoce também ocorre.

Estágios da Doença de Parkinson

Pode-se estabelecer várias etapas para a Doença de Parkinson, dependendo da organização que trata e pesquisa a doença. A norte americana “The Parkinson’s Foundations” indica cinco estágios para a DP:

  • Estágio 1) Os sintomas são leves e não interferem na qualidade de vida da pessoa;
  • Estágio 2) Os sintomas começam a piorar e as atividades diárias se tornam mais difíceis e levam mais tempo para serem concluídas;
  • Estágio 3) É considerado a doença de Parkinson no estágio intermediário. O indivíduo perde o equilíbrio, se move mais devagar e as quedas são comuns. Os sintomas prejudicam as atividades diárias, por exemplo, vestir, comer e escovar os dentes;
  • Estágio 4) Os sintomas se tornam graves e o indivíduo precisa de assistência para caminhar e realizar atividades diárias;
  • Estágio 5) Esse é o estágio mais avançado da doença de Parkinson, pois o indivíduo se torna incapaz de andar e necessitará de assistência em tempo integral para viver.

A maioria dos indivíduos com doença de Parkinson pode levar uma vida longa e produtiva por muitos anos após o diagnóstico, desde que receba o tratamento adequado. Pode-se dizer, inclusive, que a expectativa de vida de um doente de Parkinson é a mesma que de uma pessoa não acometida pela doença.

Mal de Alzheimer o que é?

Doença de Alzheimer ou Mal de Alzheimer é um tipo comum de demência, que foi descrita pela primeira vez, em 1907, pelo médico alemão Alois Alzheimer. Tal doença atinge o sistema cognitivo do ser humano, prejudicando funções tais como: memória, atenção, linguagem, percepção e motoras (ações executivas). É o sistema cognitivo que desenvolve dos comportamentos mais simples – como lembrar de alguém -até outros mais complexos – fazer um cálculo, por exemplo.

Conforme as células cerebrais vão sofrendo uma redução de tamanho e número, formam-se tranças neurofibrilhares no seu interior e placas senis no espaço exterior existente entre elas. Esse quadro impossibilita a comunicação dentro do cérebro e danifica as conexões existentes entre as células cerebrais, que acabam morrendo, o que leva à incapacidade de recordar uma informação. Assim, na medida em que a Doença de Alzheimer vai se alastrando por várias áreas cerebrais, certas funções ou capacidades vão se perdendo. O prejuízo causado às funções cognitivas acaba por alterar o comportamento, a personalidade e a capacidade funcional da pessoa.

Cada indivíduo manifesta a doença de forma diferente, razão pela qual é difícil prever como irá afetar determinada pessoa, mas existem diversos sintomas em comum. Veja-se:

Inicialmente, o sintoma mais comum é a dificuldade em recordar eventos recentes – perda de memória a curto prazo;

Com a evolução da doença, pode se manifestar confusão mental, irritabilidade, alterações de humor, agressividade, dificuldade de se expressar e perda de memória a longo prazo;

Aos poucos, o corpo vai perdendo as funções vitais, levando o indivíduo à morte.
A expectativa de vida após o diagnóstico é de cerca de sete anos, sendo certo que pouco mais de 3% das pessoas afetadas pelo Alzheimer vivem mais de 14 anos após o diagnóstico.

Geralmente, os diagnósticos da doença ocorrem em pessoas com idade superior a 65 anos, existindo casos de diagnóstico da doença em pessoas mais novas.

Quando a pessoa perde uma capacidade, raramente consegue voltar a recuperá-la ou reaprendê-la. Não existe cura para a doença, a qual se agrava progressivamente até levar à morte.

Cloreto de Magnésio PA, o que é, como funciona

O Magnésio (Mg) é de extrema importância para o bom funcionamento do nosso organismo, mas é raramente encontrado nos alimentos. Isso porque o próprio solo é carente desse nutriente, devido, principalmente, à utilização de produtos químicos nas plantações. Ademais, produtos industrializados dificilmente contém esse mineral.

Tendo em vista a dificuldade de inserir Magnésio no dia a dia, através da alimentação, muitas pessoas optam pelo uso de suplementos, os quais pode-se encontrar de formas variadas, sendo certo que o mais comum é o Cloreto de Magnésio (MgCl2).

Cloreto de Magnésio pa

A maior fonte de cloreto de magnésio é a água do mar, de onde é extraído com fins comerciais. Ele é um sal inorgânico na forma natural de cristais incolores de sabor amargo, justamente por esse sabor, não é comum na culinária.

A sigla PA significa Puro para Análise. O Cloreto de magnésio PA, não possui traço de qualquer outra substância e serve para tratar e prevenir nosso corpo de uma série de doenças.

Benefícios do Cloreto de magnésio para a saúde

  • Aumento das funções cerebrais;
  • Aumento da memória;
  • Fortalecimentos dos ossos;
  • Combate de infecções;
  • Prevenção e tratamento contra enxaquecas e dores de cabeça;
  • Prevenção ou tratamento contra perda de audição;
  • Ameniza o estresse;
  • Prevenção e tratamento contra depressão e ansiedade;
  • Reduz a intensidade de vícios;
  • Diminui o risco de hipertensão e doenças cardiovasculares;
  • Combate asma em crianças;

A utilização do cloreto de magnésio PA vem sendo muito estudada e há casos de melhora no tratamento de Parkinson e Alzheimer, justamente por melhorar as funções cerebrais e estimular a memória.

Veja também:

Advertências & Conclusão

Apesar de ser um suplemento e não necessitar de receita médica, busque sempre opinião de um médico antes de consumir o cloreto de magnésio PA. Ainda que seja bem tolerado, o produto não é indicado àqueles que possuem problemas nos rins, miastenia grave e diarreia – o suplemento possui propriedade laxativa.

Em casos de enjoo, vômito, fraqueza muscular, dificuldade de respirar, suspenda a ingestão do cloreto de magnésio PA.

Agora que você já conheceu um pouco dos benefícios deste produto e também já sabe mais um poucos sobre estas doenças não deverá demorar muito a usar o cloreto de magnésio PA para parkinson e mal de alzheimer, assim como pode usar também como suplemento alimentar e ao mesmo tempo tratar ou até curar outros problemas de saúde. Caso já o tenha feito ou conheça alguém utilizou o suplemento, reparou se houve melhora? Contamos com seu depoimento para ajudar outras pessoas.

Links úteis:

 <<< Voltar ao início

1 Star2 Stars3 Stars4 Stars5 Stars (4 votes, average: 5,00 out of 5)
Loading...

One thought on “Cloreto de magnésio PA para tratamento de Parkinson e mal de Alzheimer

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *